sábado, 19 de junho de 2010

**ARTIGO: O LÚDICO E A MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL



Eliane Silveira Gonçalves

ATIVIDADES LÚDICAS: DO CONCEITO HISTÓRICO À PRÁTICA DA SALA DE AULA

Partindo da idéia que é brincando que se aprende, podemos afirmar, sem medo de errar, que a criança necessita desse recurso para poder assimilar melhor o mundo a sua volta e assim fazer relações importantes com o mundo dos adultos. Quando uma criança brinca de casinha, por exemplo, ela não esta apenas refletindo o seu cotidiano na família, mas esta também colocando a sua idéia de como ela vê tudo o que ocorre ao seu redor. É nessa simples brincadeira que a criança vai expor suas alegrias, mágoas, percepções, subjetividades daquilo que ela vivencia.

A brincadeira para a criança é o meio mais fácil que encontramos para entrar no mundo pessoal de cada uma e poder assim ajudar na sua aprendizagem de modo geral. O lúdico pode ser o caminho mais fácil de assimilação de qualquer assunto que se queira que uma criança adquira.

Na escola é de suma importância a ludicidade, e, não apenas nas séries iniciais, mas também em todo o ensino fundamental. Com freqüência vemos jovens de 9 a 12 anos adorando quando o professor tem alguma atividade onde eles possam desenvolver alguma peça teatral, desfile de roupas de época, dramatização de alguma atividade, simples jogos para melhor entender uma disciplina, enfim, é a partir do lúdico que o aprender se torna prazeroso e interessante deixando de ser uma atividade maçante e carregada.

A MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A musicalização pode contribuir com a aprendizagem, favorecendo o desenvolvimento cognitivo/ lingüístico, psicomotor e sócio-afetivo da criança.

A música na educação deve ser vista não apenas como experiência estética, mas também como facilitadora do processo de aprendizagem, como instrumento para tornar a escola um lugar mais alegre e receptivo, e também ampliando o conhecimento musical do aluno, afinal a música é um bem cultural e seu conhecimento não deve ser privilégio de poucos. Sugere que a escola deve oportunizar a convivência com os diferentes gêneros, apresentando novos estilos, proporcionando uma análise reflexiva do que lhe é apresentado, permitindo que o aluno se torne mais crítico.

Sabemos que o ser humano desde o útero materno já tem uma grande relação com o mundo externo e assim já consegue perceber todos os sons a sua volta. Isso significa que a criança ao nascer não é lançada num mundo onde os sons são ignorados por ela, muito pelo contrario, elas já conseguem identificar o som da voz do pai, da mãe, dos mais próximos assim como também gostar de alguns gêneros musicais que a mãe tenha ouvido durante a gestação.

A escola deve dar a seus alunos a opção de conhecer o que é música desde muito cedo, não apenas para criar neles o conhecimento de conceitos dos termos musicais, mas poder organizar esse entendimento para que cada um possa, com prazer, gostar de fazer música ou ouvir sabendo diferenciar os diferentes tipos, as melodias, os diferentes ritmos e as harmonias existentes em cada gênero musical.

Para as crianças da educação infantil a música deve ser inserida juntamente com alguma história, uma dramatização, por meio de jogos ou brincadeiras de maneira que esta aprendizagem seja prazerosa à criança facilitando assim o interesse pelas brincadeiras musicais. Segundo PIRES (2008, p. 30):

A brincadeira musical na Educação Infantil deve prever ações como: a escuta de músicas e a diferenciação de som e silêncio, a expressão corporal em diferentes ritmos musicais, o cantar diversas alturas e intensidades sonoras, a exploração dos sentimentos através da música e a criação musical livre e com regras.

As atividades de musicalização permitem que a criança conheça melhor a si mesma, desenvolvendo sua noção de esquema corporal, e também permitem a comunicação com o outro. A fonte de conhecimento da criança são as situações que ela tem oportunidade de experimentar em seu dia a dia. Dessa forma, quanto maior a riqueza de estímulos que ela receber melhor será seu desenvolvimento intelectual. Nesse sentido, as experiências rítmicas musicais que permitem uma participação ativa (vendo, ouvindo, tocando) favorecem o desenvolvimento dos sentidos das crianças. Ao trabalhar com os sons ela desenvolve sua acuidade auditiva; ao acompanhar gestos ou dançar ela está trabalhando a coordenação motora e a atenção; ao cantar ou imitar sons ela esta descobrindo suas capacidades e estabelecendo relações com o ambiente em que vive.

2 comentários: